Sinopse

"Neste espaço encontra-se reunida uma coletânea dos melhores textos, imagens e gráficos sobre o futebol, criteriosamente selecionados e com o objetivo de contribuir para a informação, pesquisa, conhecimento e divulgação deste esporte, considerando seu aspecto multidisciplinar. A escolha do conteúdo, bem como o aspecto de intertextualidade e/ou dialogismo - em suas diversas abordagens - que possa ser observado, são de responsabilidade do comentarista e analista esportivo Benê Lima."

terça-feira, agosto 13, 2019

Um Novo Calendário para o Futebol Europeu

Luis Filipe Chateaubriand

Luis Filipe Chateaubriand / Arquivo do autor


Durante muitos anos – ou melhor, durante décadas – propus melhorias para o calendário do futebol brasileiro. Escrevi livros a respeito, o último deles lançado este ano. Escrevi artigos. Participei de eventos. Fui consultor de conteúdo do Bom Senso Futebol Clube para o tema, e até de grupo de trabalho sobre o assunto da Confederação Brasileira de Futebol, fui membro.

No entanto, parece que não haverá avanços na busca de melhoria do calendário de nosso futebol – ou, no máximo, haverá avanços tímidos. Os grandes clubes brasileiros, que deveriam ser os maiores interessados na mudança, não parecem dispostos a se dedicarem a isso.

Mediante a situação, e utilizando as metodologias que imaginei durante muito tempo relacionadas ao tema, tive a ideia de escrever uma proposta de calendário para o futebol europeu.

Pode-se pensar que nada precisa ser alterado no calendário europeu – exemplo de organização e profissionalismo. Na verdade, e a despeito do mencionado, há mudanças que poderiam ser implantadas que se mostram benéficas ao futebol daquele continente.

A principal mudança é que deve ser criada a Liga Europeia de Clubes, com os 32 principais clubes europeus. E, a partir dela, deve ganhar corpo o Campeonato da Liga Europeia de Clubes, com essas mesmas 32 agremiações, e que deve ser disputado em todas as temporadas, assim como acontece com a UEFA Champions League.

Pelo que se propõe, o Campeonato da Liga Europeia de Clubes teria o formato de campeonato, enquanto a  UEFA Champions League deve ter o formato de copa.

Para que o Campeonato da Liga Europeia de Clubes possa acontecer, é preciso reservar datas – e, pela importância do certame a ser criado, datas nobres – para sua disputa. Isto implica, obviamente, o remanejo de outros certames para outras datas e, assim, requer um repensar no calendário europeu.

A criação da Liga Europeia de Clubes, e a realização de seu respectivo campeonato, criará uma escalada de jogos entre grandes clubes no Velho Mundo como não existe atualmente. E, em assim sendo, possibilidades técnicas e comerciais bastante atrativas. É senha de que mesmo o que é bom pode, e deve, ser melhorado.

Como se vê, os grandes clubes do futebol europeu podem ter perspectivas de prosperidade ainda maiores de que atualmente, desde que se associem entre si.


Luis Filipe Chateaubriand propõe mudanças do calendário do futebol brasileiro há 30 anos.

sexta-feira, agosto 02, 2019

FUTEBOL FEMININO] SE É PARA PIA AJUDAR

Por Benê Lima

Imagem relacionada
Pia Sundhage / Divulgação


Que ela não só conheça a realidade dos clubes, mas também a realidade do futebol feminino em nosso país, ‘do Oiapoque ao Chuí’.
Os clubes são, analogamente, os nossos postos de combustível, enquanto o futebol feminino no geral é a nossa Petrobrás.

Juntos, os projetos sociais, as associações, as pequenas agremiações, as médias e as grandes equipes e todas as demais iniciativas e micro núcleos da modalidade, devem vitalizar e revitalizar o processo de desenvolvimento da modalidade, pela via da formação e do fortalecimento das bases.

A CBF e não Pia Sundhage, deve elaborar um projeto de desenvolvimento de longo prazo para o futebol feminino. Esse projeto deve ter a urdidura da Coordenação de Futebol Feminino da CBF, com a participação de Pia. Sim, pois ela não será tão somente uma treinadora de Seleção Principal, mas também a inspiradora de uma nova cultura de formação para as nossas categorias de base, embora saibamos não ser este exatamente o papel da CBF, operacionalmente falando. No entanto, é a ela CBF a quem cabe coordenar e deflagrar de forma ordenada tal processo formador. E para isso, é indispensável a criação de núcleos em diferentes regiões do Brasil, a fim de massificar, metodizar e emprestar criteriologia ao processo, para aumentarmos a quantidade, premissa básica para que dela possamos obter mais qualidade.

De outra parte, a presença do poder público, não obstante suas limitações orçamentárias, também é indispensável ao sucesso desse empreendimento, e isso pode ser pensado desde já, a partir das ideias e iniciativas em curso, como podemos ver duas delas que aqui citaremos: a criação da lei do clube-empresa, com a abertura de nossos clubes de maior porte ao investimento estrangeiro, bem como com a participação da modalidade nos recursos oriundos da regulamentação das apostas, que movimenta em torno de 4 bilhões de reais anuais.

Imagem relacionada
Imagem: Divulgação

Além disso, pode-se pensar numa participação do futebol feminino nos recursos de vendas de direito de transmissão dos jogos do Brasileirão Série A, tanto para o território nacional quanto para o exterior, como pretende realizar a CBF, já para o ano de 2020. Para isso, a própria implantação do VAR (árbitro de vídeo) foi pensada de modo a qualificar o produto Série A Brasileira, visando a um maior alcance da cotação do produto na venda para o exterior.

Poder-se-ia ainda pensar num ligeiro aumento na base fixa percentual de divisão de cotas de televisão, para clubes que comprovem investimento na modalidade. Esses recursos seriam realocados da divisão das referidas cotas, sem que fosse necessário dinheiro novo ou novas rubricas.

A caracterização dos núcleos formadores poderia se dar por diferentes critérios, que iriam desde a credibilidade do trabalho, o tempo de instalação, as faixas etárias atendidas, a natureza e a qualidade do trabalho, a metodologia aplicada e o número de jogadoras pertencentes a cada núcleo. Criar-se-ia uma qualificação para tais núcleos e se buscaria a habilitação deles e de seus profissionais, a fim de credenciá-los ao apoio financeiro.

Adotar-se-ia o critério de fases para a implantação dos mesmos, com o fito de controlar o fluxo orçamentário da provedora CBF, utilizando-se ainda alguns dos critérios para os clubes formadores, com a fiscalização sendo de responsabilidade da federação local, representando a CBF.

E segue por aí.


(Benê Lima, Cronista Esportivo, ex-Gerente de Futebol Feminino da FCF, ex-Presidente da Liga Cearense de Futebol Feminino, ex-Membro do Conselho do Desporto do Estado do Ceará, Rosacruz e Humanista)

quinta-feira, julho 25, 2019

Relatório: educação e as categorias de base

Arthur Sales / Indústria de Base / Universidade do Futebol

Jornalista. Abordo questões relacionadas ao esporte, com atenção especial aos diretos das crianças nesse universo. Mestre em Ciências da Motricidade (UNESP/RC).


Em parceria com a Universidade do Futebol, apresentamos a seguir números do primeiro levantamento intitulado O FUTEBOL MASCULINO BRASILEIRO E A ESCOLARIZAÇÃO NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE JOGADORES. O estudo traz dados referentes ao número total de jogadores no futebol de base do Brasil, quantos deles atuam em clubes sem o certificado de clube formador, e ainda quantos jovens deixam suas cidades anualmente para participar processos seletivos.




O FUTEBOL MASCULINO BRASILEIRO E A ESCOLARIZAÇÃO NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE JOGADORES

 

Este documento foi redigido com o objetivo de compreender a magnitude do futebol de base masculino no Brasil, evidenciando a grande concorrência por postos de trabalho de qualidade no futebol profissional e destacando os conflitos existentes entre o processo de formação esportiva e a escolarização dos jovens jogadores.



1. FUTEBOL PROFISSIONAL — O TOPO DA PIRÂMIDE É MAIS FEIO DO QUE PARECE
A carreira de jogador de futebol é curta, instável e mal remunerada. Mesmo assim, milhares de jovens tentam a sorte nos gramados pelo país. Vamos aos números:
Os postos de trabalho de qualidade no futebol brasileiro masculino são pouco variáveis dado o número fixo de clubes nas principais divisões do país. Em uma conta simples, multiplicando o número de clubes que disputam as três principais divisões do país e que, portanto, têm condições de oferecer contratos de trabalho de, ao menos, um ano a seus jogadores, pelo tamanho do elenco de cada um desses clubes chegamos a um total estimado de 1500.

Clubes das séries A, B e C (60)* Jogadores no elenco — estimativa (25) = 1500 postos de trabalho

Além dos postos dentro do território nacional, é possível contabilizar os internacionais, nem sempre tão glamorosos como os das grandes equipes europeias, mas atraentes o suficiente para convencer pouco mais de 1200jogadores a deixar o país de acordo com relatório do CIES de maio de 2017.

Postos nacionais (1500) + Postos internacionais (1200) = 2700 postos de trabalho

Portanto, os jogadores brasileiros disputam, anualmente, cerca de 2700 postos de trabalho de qualidade dentro desse esporte. Nesses postos, estão os jogadores menos impactados pela sazonalidade da profissão. Eles conseguem contratos mais estáveis, pois suas equipes tem o calendário de jogos garantido por pelo menos um ano. Neste grupo, encontram-se as grandes estrelas do futebol brasileiro, Dudu, Gabigol, Fágner, Pato, Fred, e os “estrangeiros” Neymar, Daniel Alves, Fernandinho, Alisson… Além de muitos outros menos conhecidos.

É importante considerar que os postos nacionais também são ocupados por jogadores estrangeiros, como no caso do centroavante peruano Paolo Guerrero, do Sport Club Internacional, e o meia uruguaio Giorgian De Arrascaeta, do Flamengo.

Abaixo desse oásis da estabilidade, fama e grandes salários, temos a série D, competição de âmbito nacional disputada no segundo semestre por equipes que tiveram bom desempenho em seus estados na primeira metade do ano. 

Daqui para baixo da pirâmide, a sazonalidade, baixos salários e falta de pagamento já são um fenômeno de impacto social relevante, pela frequência e pelo número de jogadores atingidos. Apesar da importância da questão, os números são pouco precisos, e muitas vezes divergentes. Aos serem analisados os dados disponíveis, a impressão é de que não há no país grande interesse pela questão.


Quantos jogadores de futebol profissional temos no Brasil?

As fontes mais confiáveis são o “Raio-x do futebol”, publicado anualmente pela CBF, e o “Relatório Anual de Informações Sociais” — RAIS, publicado pelo Ministério Público do trabalho e que, segundo as reportagens consultadas, possui dados relevantes para o presente levantamento em sua edição de 2017.

“O Rio é o segundo estado com mais empregados — 786 atletas com carteira assinada em 2017. Perde apenas para São Paulo, com 1 790 jogadores” (Ministério Público do Trabalho. Relatório Anual de Informações Sociais — RAIS, 2017. In.: Revista Piauí. Maio, 2019).
De acordo com a reportagem, o número combinado de atletas com carteira assinada em 2017 nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo seria de 2576.

Números conflitantes com os apresentados por uma reportagem da Folha, em maio de 2018. Segundo os dados apresentados, o total de jogadores profissionais atingiria a soma de quase 13 mil, com cerca de 8 mil apenas no estado de São Paulo.

Já de acordo com os números mais recentes da Confederação Brasileira de Futebol — CBF, referentes à 2018, os números são os seguintes:

Contratos profissionais — 22.177

Contratos ativos — 7.048

Vínculos ativos — 47.177

A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol aponta um total de cerca de 18 mil, com o número de desempregados podendo chegar aos 15 mil nos momentos do ano com menos competições.

“De acordo com a Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol, o País possui hoje 18 mil atletas profissionais. Os índices de desemprego variam ao longo do ano por causa da mudança no número de competições. Os clubes menores simplesmente fecham as portas no segundo semestre. “No mês de abril, temos 30% dos atletas trabalhando. No fim do ano, esse número cai para 6%”, disse o presidente Felipe Augusto Leite” (Istoé, outubro, 2017).


Mas o que é “desemprego” para um jogador de futebol?
Estar jogando em um clube pequeno, em uma competição de pouca visibilidade, com um contrato de três meses, podendo não receber por isso é a situação da maioria dos jogadores no país. É possível considerar que essa é uma situação de emprego?

““Veja a Copa Paulista, por exemplo. É uma competição deficitária, que os clubes usam de laboratório para o ano seguinte. Oferecem salários baixos para fazer avaliações de atletas ainda em início de carreira e, logo depois, dispensam os garotos. São atletas que nunca haviam sido profissionais antes e dificilmente conseguirão outro clube. Você considera essas pessoas jogadores de futebol profissionais? ”, questiona o presidente do Sindicato de Atletas de São Paulo, Rinaldo Martorelli. A resposta dele é que não. Já para a Fenapaf, é sim” (Folha. Maio, 2018)

Como é possível observar no trecho acima, não há uma padronização para a definição dessas estatísticas, o que torna difícil conclusão sobre o real número de jogadores trabalhando em situação precária no país. Uma estimativa baseada nos números acima, estabelecendo o total de jogadores “profissionais” pelo país em um patamar de cerca de 20 mil, e levando em conta o cálculo do número de postos de trabalho de qualidade na altura dos 2700, é razoável considerar que temos, ao menos, 17 mil jogadores em situação precária de trabalho no Brasil.

Total de jogadores no país (20 mil) — Postos de trabalho de qualidade (2700) = 17300 desempregados/em situação precária de trabalho anualmente.


O grande sonho e a falta de qualificação

É depois de adulto que a maioria dos jogadores começam a entender as dificuldades da carreira que escolheram, mesmo assim, seguem firme em busca do sonho. Eles têm duas razões para isso. Acreditar muito no próprio talento e dedicação, apesar das estatísticas difíceis, e não ver alternativas melhores, falta a eles qualificação.


“As crianças que começam no futebol hoje em dia pensam isso mesmo. É o que aparece na TV” (Folha, 2018).

“’Para um goleiro, a minha idade não pesa tanto. Mas na vida, sim. Tenho amigos da minha idade que já terminaram a faculdade. Eu, não. Mas tenho esperança que vai melhorar. Fiz isso a minha vida toda. Não consigo me ver fazendo outra coisa’, diz Kaique de 22 anos.
Rodrigo [outro jogador] se acostumou à mesma cena. Ver antigos companheiros de campo desesperados à procura de trabalho” (Folha, 2018)


A pirâmide salarial

De acordo com dados da CBF publicados em 2016, o total de jogadores no país era de 28.203. Desse universo, menos de 4% — cerca de 1100 — tinham no seu contrato de trabalho registrados vencimentos maiores do que R$ 5 mil.


Carreira curta

Todos esses jogadores, sejam os de seleção, com seus salários de seis dígitos, ou os milhares da base da pirâmide, com rendimentos escassos e pouco regulares, verão sua carreira esportiva terminar de maneira muito rápida, às vezes com 20 e poucos anos, em outras com mais de 40, mas ainda assim com muitos anos de vida pela frente. 

Considerando a estimativa de cerca de 20 mil jogadores no país e o número de aposentadorias anuais, 900, de acordo com dados publicados pela CBF referentes a 2018, é possível estimar que em uma década um número aproximado de 29 mil pessoas tenha se aventurado no mundo do futebol profissional e experienciado todas as peculiaridades dessa carreira.


Jogador brasileiro — A imagem do país em jogo

Os jogadores de futebol do Brasil estão entre as personalidades do país com maior visibilidade na comunidade internacional. Suas declarações, comportamento, atitudes, são uma janela para o mundo mostrando como é o país e o brasileiro, podendo ter impacto nas relações exteriores, comércio e turismo. Ter jogadores de elite com uma bagagem educacional rica é uma vantagem estratégica que o país vem desperdiçando há anos.

Há poucos anos, aconteceu um caso que ilustra como a defasagem educacional, e principalmente da falta de uma relação mais afetiva com a escolarização e desenvolvimento intelectual impacta a vida de um jogador de futebol profissional. Um jogador brasileiro que atuava em um clube importante na Espanha foi contratado por uma equipe inglesa.

Naquela altura, o jogador não sabia falar uma palavra em inglês, o que dificultou inclusive seu início no novo local de trabalho. É emblemático o fato de que um jogador que atingiu esse nível, e que certamente já tinha a ambição de viver e jogar na Europa, não tenha tido em nenhum momento de sua carreira a atitude de decidir estudar a língua mais falada do mundo que, com toda certeza, seria muito útil tanto pessoal, como profissionalmente, em algum momento de sua vida.


O exército de desempregados

Se a formação educacional dos ídolos é fundamental, que dirá os milhares de jogadores que ainda irão se aposentar sem nenhuma qualificação e a conta bancária zerada.



2. NA BASE — A EDUCAÇÃO JOGADA PARA ESCANTEIO

A realidade das categorias de base no futebol é muito heterogênea. Enquanto os maiores clubes possuem estruturas físicas sofisticadas, capazes de acomodar centenas de jovens em condições dignas, na outra ponta temos alimentação precária e ambientes muitas vezes insalubres e degradantes. Antes de aprofundar a relação das categorias de base com a escolarização e a educação de maneira geral, é fundamental entender o número total de jovens impactados nesse universo.

A Federação Paulista de Futebol tinha até abril 13.172 jogadores de base inscritos em todo o estado. Não é possível afirmar com precisão qual é esse número no âmbito nacional. Em fevereiro de 2019, a CBF disponibilizou em seu site oficial os seguintes números:

Contratos profissionais: 22.177
Vínculos não profissionais: 38.309


Em teoria, entre os mais de 38 mil vínculos não profissionais deveriam estar contidos muitos dos jogadores de base do futebol masculino brasileiro, o restante dos jogadores de base está incluído naqueles que já completaram 16 anos e, por estarem se destacando, podem já ter um contrato profissional assinado. Por outro lado, entre os 38 mil não profissionais, podem estar incluídos também registros de ligas amadoras, etc., o que diminuiria o número total de jogadores jovens nesse grupo. Foram consultadas diversas fontes de dentro e de fora da CBF e nenhuma delas soube precisar o que os dados de fato querem dizer.

Um outro caminho para tentar entender o real tamanho do futebol de base nos clubes profissionais, aqueles filiados à CBF, no país, é verificar o número de clubes que participam das competições estaduais. 

Em um levantamento realizado pelo Indústria de Base, que levou em consideração apenas a menor faixa etária seguinte à idade mínima permitida para o alojamento de jovens jogadores no país que é de 14 anos, foram identificados 448 clubes em atividade em 2018. A faixa etária de competição mais comum nos 27 estados da federação, dentro desses parâmetros, é a sub-15.

Pela grande heterogeneidade de suas estruturas, é difícil definir com precisão o número de jogadores em cada um desses 448 clubes. Os maiores e mais ricos clubes do país podem ter equipes de futebol de campo e de futsal que vão desde o sub-9 até o sub-23, enquanto equipes menores e/ou de estados mais periféricos do ponto de vista econômico e futebolístico podem ter apenas duas ou três equipes de base, como é possível verificar nos sites das federações estaduais. De acordo com profissionais de diversas áreas que atuam ou atuaram nas categorias de base do futebol masculino do Brasil e que colaboraram com esse levantamento, cada equipe de base de um clube no Brasil possui de 18 a 40 jovens jogadores e cada clube tem um número total — somadas todas as suas equipes — que varia de 90 a 300 jogadores. Por considerar a amostra de dados pequena, foram entrevistados profissionais de apenas 7 clubes, a decisão foi a de estabelecer essa estimativa em 90 jogadores por clube, o menor número encontrado.


Clubes com categorias de base (448) * Jogadores/clube (90) = 40320 jogadores de base no país

Lembrando que esses 40320 jogadores vão disputar as 2700 vagas de qualidade no futebol profissional na próxima década com jogadores que já estão nestes postos e vão demorar anos para se aposentar.


As condições de vida nas categorias de base do futebol masculino

Se a qualidade da maioria dos postos de trabalho no futebol profissional é precária, é fácil imaginar que na base, a condição de vida não deve ser diferente. Para além dessa dedução, o número de clubes com o certificado de clube formador — CCF, pode ser um bom parâmetro para que se conclua algo a respeito.

Regulamentado em janeiro de 2012 pela CBF, o CCF é um mecanismo previsto na lei Pelé que incentiva as confederações esportivas nacionais, no caso do futebol a CBF, a conceder uma certificação reconhecendo clubes e entidades esportivas filiadas como formadoras caso atendam requisitos mínimos. Como contrapartida, os clubes adquirem legalmente o direito à preferência na assinatura do primeiro contrato profissional dos jovens treinados na instituição ou à uma indenização caso ele chegue a um acordo com outra agremiação e também ao mecanismo de solidariedade da FIFA, muito comemorado por clubes brasileiros em grandes transferências internacionais como a de Neymar do Barcelona para o Paris Saint Germain e de Philippe Coutinho do Liverpool para o Barcelona, que geraram, respectivamente, R$ 33 mi para o Santos e R$ 15,8 mi para o Vasco. Em resumo, o CCF previne que a instituição que investiu tempo e dinheiro na formação de um jogador deixe de contar com seus serviços em um momento crucial, que é a assinatura do primeiro contrato de trabalho ou, ao menos, receba uma compensação financeira por isso. Algo muito relevante em um cenário no qual a maioria dos clubes do país tem dívidas significativas se comparadas a seus faturamentos anuais e tem na chamada “venda” de jogadores uma das poucas soluções para equilibrar as contas.

Apesar dessa garantia jurídica, o número de clubes com certificado de clube formador representa apenas uma pequena parcela dos filiados à CBF mesmo entre aqueles que possuem categorias de base. Dos 448 clubes que disputaram competições em faixas etárias nas quais o alojamento é permitido por lei em 2018, 406 clubes NÃO possuíam o certificado. Abaixo, os requisitos mínimos para que um clube possa solicitar o reconhecimento como clube formador junto à CBF.


Os 5 requisitos do CCF

1 — Apresentar a relação de técnicos e preparadores físicos responsáveis
2 — Comprovar participação em competição oficial
3 — Apresentar o programa de treino, seus responsáveis e compatibilidade com a atividade escolar dos jovens jogadores
4 — Garantir frequência escolar dos jovens jogadores
5 — Garantir a saúde dos jovens jogadores (por meio da contratação dos seguintes profissionais: médico, fisioterapeuta, psicólogo, nutricionista, e de ações como promover visitas frequentes dos ou aos familiares, oferecer três refeições diárias, manter os alojamentos limpos e locais de treinamento preparados para atendimento de urgência).


406 clubes atuando nas categorias de base sem CCF, é dizer que não é possível garantir que mais de 35 mil jovens tiveram acesso à escola.

Clubes sem CCF (406) * Jogadores/clube (90) = 36540 jovens jogadores em clubes sem CCF
Vale lembrar que o Flamengo, um dos clubes mais ricos do país, possuía o CCF na época do incêndio que vitimou 10 adolescentes nas dependências do clube. Um indício de que não é possível afirmar que mesmo nos clubes certificados o acompanhamento escolar, assim como o dos outros requisitos do documento, seja rigoroso.


Bom de bola, bom na escola?

O distanciamento do ensino formal nos centros de formação de jogadores acontece tanto literalmente quanto de uma forma mais sutil. Estudos publicados por Melo e colaboradores em 2010 apontam que jovens jogadores provenientes de outras cidades e estados que vivem em regime de albergamento em clubes do Rio de Janeiro são os que detêm maior número de reprovações e de atraso escolar quando comparados aos futebolistas em formação que vivem com a família. Também segundo os pesquisadores, quanto maior a faixa etária, mais os jovens são levados a estudar no período noturno.

Em outro estudo, realizado por Marques e Samulski em 2009 com 186 jogadores de 18 anos, também é apontado o atraso escolar e dificuldades para conciliar a escola e a carreira esportiva, sendo que mais da metade da amostra parou de estudar em algum momento para se dedicar ao futebol.

Não há, em geral, por parte dos jovens jogadores, uma relação afetiva com a escola, “predomina a visão do estudo como obrigação, um mal necessário imposto pelas famílias e pelos clubes para obter a permissão de continuar jogando futebol. É visível o distanciamento afetivo desses jovens da vida escolar” (UNICEF, 2014, p. 28). Tal distanciamento dos jovens em relação à escola, observado também por Rocha, em estudo publicado em 2011.

Existe também, certa complacência com o jovem jogador. Sua vida escolar tende a ser mais permissiva do que a de um aluno “regular”. “Professores e diretores se tornam parceiros e colaboradores na concessão de benefícios sistemáticos que objetivam a compatibilização entre as rotinas desses alunos. De modo semelhante ao desejo dos atletas, os pais são cientes e concordam com o funcionamento de tais mecanismos” (ROCHA et al, 2011, p. 262).

A continuação da vida escolar, quando ocorre, é muito mais por uma obrigação legal, do que por uma convicção. Por isso, “pouca atenção é dada ao planejamento de uma carreira não esportiva futura” (MARQUES; SAMULSKI, 2009, p. 115). Os clubes parecem “empurrar seus atletas para o ensino noturno” (MELO et al, 2016, p. 6) e os jovens jogadores podem chegar a passar semanas ausentes da sala de aula para participar de competições e testes dentro e fora do país (MELO et al, 2016; SOUZA, 2008). A questão da perda de dias e até semanas do calendário escolar por conta da carreira esportiva será abordada na sequência.


As competições e o conflito com o calendário escolar

As equipes de base no Brasil disputam competições estaduais, usualmente de longo prazo e realizadas aos finais de semana, nacionais, a partir da faixa etária sub-17 e mais restritas aos grandes clubes, e torneios de sede fixa. Por serem disputados aos finais de semana, os estaduais, em teoria, não prejudicam a frequência escolar dos jovens jogadores. Em algumas ocasiões, porém, as equipes viajam para a partida no dia anterior à disputa, na sexta-feira, o que pode ter como consequência para os jovens que estudam no período da tarde e da noite faltas frequentes nesse dia da semana. Essa situação é mais comum nos clubes grandes, pois eles possuem maiores recursos para financiar a estadia de suas equipes em outras cidades quando necessário. Os clubes grandes também disputam com maior frequência os campeonatos nacionais de base, esses sim, em dias de semana.

As competições com sede fixa são as que causam um maior impacto em relação à perda de dias letivos. Em um levantamento feito pelo Indústria de Base com quatro clubes grandes do estado de São Paulo, foi constatado que esses torneios significam, em média, a perda de 30 dias letivos nas equipes da faixa etária sub-15 de cada clube.


Os estudos e os alojamentos

Se os jogadores que vivem em regime de albergamento são os mais afetados pelos impactos negativos da carreira esportiva juvenil na escolarização, é fundamental saber qual é o número total deles em âmbito nacional. Para tentar responder à essa questão também foram utilizados números conseguidos por meio de entrevistas com profissionais do futebol. De acordo com os relatos, o número é pouco homogêneo entre as equipes. Um deles afirmou trabalhar apenas com jogadores da própria cidade até a faixa etária sub-17, por outro lado, em dois clubes do sudeste, a taxa de jogadores alojados em relação ao total de jogadores da base é igual ou maior a 50% o que corresponde a cerca de 145 jogadores nos dois clubes. A média de jogadores alojados em relação ao total nos 6 clubes dos quais foi possível obter esse número combinada à porcentagem de alojados no Fluminense, disponível em reportagem do Globoesporte.com publicada em fevereiro, é de 25,2%. A mesma reportagem traz os seguintes números de jogadores alojados em equipes de série A:

Athlético — 120
Atlético — 105
Avaí — 44
Bahia — 100
Ceará — 40
Chapecoense — 48
Cruzeiro — 35
Flamengo — 60
Fluminense — 45 (de um total de 300)
Goiás — 34
Palmeiras — 200 (alojados em duas casas no bairro da Pompéia)
Vasco — 45

TOTAL — 876


25,2% do total de jogadores de base no Brasil (40320) = 10160 jogadores alojados no Brasil

Há ainda mais um degrau na pirâmide da formação dos jogadores de futebol brasileiro. O dos jovens que buscam uma vaga em um clube de futebol filiado à CBF.



3. OS PERAMBULANTES

Os processos de seleção dos clubes são bastante diversificados e também muito heterogêneos, sendo realizado de acordo com as respectivas capacidades financeiras de cada agremiação. Eles vão desde seletivas, as famosas peneiras, até a utilização de uma rede de observadores espalhada por diferentes cidades e estados. As crianças e jovens aprovadas, a preferência é pelo ingresso nas menores faixas etárias possíveis, passam, normalmente, por uma segunda fase do processo de seleção que consiste em uma semana, duas em alguns casos, de treinos dentro do clube. Uma semana fora de casa é igual a uma semana sem aulas, já que esse período de treinos independe do calendário escolar de acordo com os relatos.

Se conseguir dados oficiais precisos sobre jogadores profissionais e de base já é uma missão ingrata, quantificar o número dos jovens “perambulantes” com um padrão mínimo de precisão é quase impossível. Nos relatos dos entrevistados os números variaram entre pouco mais de 30 a cerca de 500 jovens participando anualmente das semanas de avaliação nos clubes brasileiros. Esses números são referentes apenas àqueles que se deslocam de sua cidade de origem perdendo, por consequência, ao menos uma semana de aulas.


Clubes com categorias de base no país (448) * Jogadores em avaliação por ano (30) = 13440

Há cerca de quatro anos, o Indústria de Base acompanha de perto a rotina de dois jogadores que deixaram suas famílias pela aposta em uma carreira no futebol. Um dos casos é o de um jovem do interior de São Paulo que deixou a casa dos pais em 2015, aos 15 anos, para viver a 70 km de sua cidade natal. O jovem se mudou para outra cidade de sua região em 2016, mas ficou apenas dois meses na cidade, voltando para seu primeiro clube seguindo a sugestão do empresário. 

Apesar do período no segundo município, ele não transferiu sua matrícula escolar, terminando os estudos depois de voltar para a cidade do primeiro clube. Após outras idas e vindas, o jovem desistiu da carreira esportiva aos 18 anos.

Esse garoto teve um início que é considerado tardio no futebol, mesmo assim foi possível observar ao longo de sua carreira impactos negativos dos frequentes deslocamentos em sua escolarização. O outro caso acompanhado pelo site é o de uma criança, um menino roraimense que, desde os 7 anos, passa por avaliações em clubes de São Paulo e Rio de Janeiro. A primeira foi em novembro de 2017. Em 2018, foram mais três viagens ao sudeste do país para semanas de avaliações, em abril, junho e outubro. Aprovado por um grande clube do Rio de Janeiro, ele está morando com o pai e o irmão, de 5 anos, na cidade desde o começo do ano. Fica claro nesse caso que a tentativa de emplacar uma carreira esportiva é um projeto familiar. A pesquisadora Carmen Rial estudou a história de jogadores bem-sucedidos e constatou que é comum que o filho mais novo da família consiga êxitos maiores em sua carreira dentro do futebol, isso acontece, pois, a família, melhor estruturada financeiramente com o filho caçula, possui mais recursos para investir nele do que na tentativa anterior, com o irmão mais velho, o que auxilia no êxito da carreira.

A prática de recebimento de jogadores menores de 14 anos em categorias de base de clubes de futebol, como no caso relatado, é comum, principalmente nos maiores clubes do país. Por conta de os processos de avaliação não respeitarem, usualmente, o calendário escolar, a consequência é que milhares de crianças perdem uma quantidade significativa de semanas de aula para participar desses processos.


Procurando joias, esquecendo de cultivar o próprio quintal

Esse grande fluxo de crianças e jovens pelo território brasileiro é questionável não só do ponto de vista educacional, mas também esportivo. Países muito menos populosos do que algumas cidades brasileiras formam quase tantos bons jogadores quanto o Brasil, como é o caso do Uruguai, com 3,45 mi habitantes e a Croácia, com 4,15 mi. Tanto para o desenvolvimento humano dessas crianças e jovens, quanto para a construção de um processo esportivo mais sustentável, seria interessante que os jovens jogadores ficassem tanto tempo quanto possível em suas cidades de origem.


Números

2700 vagas de qualidade por ano no futebol profissional
20 mil jogadores profissionais
40 mil jogadores de base
35 mil em clubes sem CCF
10 mil jogadores alojados
13 mil perambulantes


Ponderações

É importante pontuar que alguns clubes do futebol brasileiro possuem ótimas estruturas em seus alojamentos e investem na formação educacional de seus jovens jogadores. As matrículas em escolas particulares e a necessidade de reforço para alguns jogadores, sinalizam que a defasagem educacional é um fenômeno que extrapola o futebol, ela atinge as camadas sociais dos jovens que usualmente buscam no esporte uma esperança de ascensão social que a escolarização não lhes aparenta proporcionar. Por outro lado, a formação educacional passa a ser uma preocupação obrigatória das instituições esportivas a partir do momento no qual se assume a responsabilidade de abrigar menores.

Os dados e estimativas apresentadas ao longo do documento servem de alerta em relação ao número de crianças e jovens que perdem semanas de estudo por conta do início precoce da carreira esportiva, mas também para o fato de a educação não ser vista como prioridade no país de uma forma mais ampla. O futebol, pelo lugar de destaque que ocupa na cultura nacional, pode ser uma ferramenta potencializadora de mudança desse paradigma.

Ações de priorização da educação no esporte de base, além garantir o previsto no ECA e impactar os milhares de crianças e jovens diretamente ligadas ao esporte, podem servir como um gesto simbólico de grande impacto em todo o país. Na Alemanha, por exemplo, um jogador de dezessete anos não disputou uma partida da competição de clubes mais importante do mundo, a Champions League, pois tinha uma prova na escola marcada para o mesmo dia do jogo em questão. Mais do que o impacto prático da ação em si, que pode até ser questionado, a mensagem passada é de que não há nada mais importante do que a educação para um jovem, é o esporte de rendimento cumprindo sua função de transmitir valores positivos para a sociedade.


Referências adicionais

Onde há fumaça, há fogo. Indústria de Base, 2019.
Procurando joias, futebol brasileiro esquece de cultivar o próprio jardim. Indústria de Base, 2019.

Joia ou gente? Opinião de treinadores brasileiros sobre jogadores de futebol da categoria masculino sub-15. Arthur Sales Pinto, 2018.

A infância entra em campo: riscos e oportunidades para crianças e adolescentes no futebol. Unicef, 2014.

Jogadores de futebol no Brasil: mercado, formação de atletas e escola. Antonio Jorge Gonçalves Soares e colaboradores, 2011

Perfil educacional de atletas em formação no futebol no Estado do Rio de Janeiro. Leonardo Bernardes Silva de Melo e colaboradores, 2010

Rodar: a circulação dos jogadores de futebol brasileiro no exterior. Carmen Rial, 2008.

Veja a situação dos alojamentos das categorias de base dos 20 clubes da série A. Globoesporte.com, fev/ 2019.

Apêndice– As fontes de informação direta do relatório

Além da consulta a diversas fontes oficiais e reportagens descritas ao longo do documento, profissionais de sete clubes do futebol brasileiro masculino foram consultados diretamente para levantamento de informações específicas sobre essas instituições. Eles nos forneceram dados referentes ao número total de jogadores nas categorias de base, número de jogadores alojados e o processo de seleção de jogadores, conforme a tabela a seguir.



Apesar da tentativa de buscar clubes dos diferentes níveis esportivos e administrativos, os dados levantados para esta primeira versão do relatório são, ainda, muito superficiais. A necessidade de um levantamento mais abrangente e preciso sobre os aspectos destacados ao longo do documento é urgente. Os números apresentados servem para que se possa ter uma ideia inicial da magnitude, e consequente relevância social, do futebol de base masculino no país.