Sinopse

"Neste espaço encontra-se reunida uma coletânea dos melhores textos, imagens e gráficos sobre o futebol, criteriosamente selecionados e com o objetivo de contribuir para a informação, pesquisa, conhecimento e divulgação deste esporte, considerando seu aspecto multidisciplinar. A escolha do conteúdo, bem como o aspecto de intertextualidade e/ou dialogismo - em suas diversas abordagens - que possa ser observado, são de responsabilidade do comentarista e analista esportivo Benê Lima."

sábado, julho 30, 2011

Ao campeão da América, parabéns!

Imagem 001
Eduardo Barros
Cinco anos foram suficientes para o treinador Oscar Tabárez impulsionar ressurgimento do futebol uruguaio

Em 2006, a seleção uruguaia não figurava entre os países que disputavam a Copa do Mundo do referido ano. Quatro anos mais tarde, após conseguir vaga na repescagem, conquista uma surpreendente quarta colocação sob o comando do técnico Oscar Tabárez, caindo somente nas semifinais diante da seleção holandesa. Em 2011, surpreende também nas categorias inferiores ao alcançar os vice-campeonatos sul-americano e mundial com a equipe sub-17 e ao obter a segunda colocação do sul-americano sub-20.

Na recém-encerrada Copa América, frustrante para os brasileiros mais imediatistas, o futebol uruguaio recebe elogios mundiais ao conquistar o 15º título continental e se tornar o país que mais vezes venceu esta competição.

Por trás dos resultados, obviamente, muito trabalho. Trabalho que abrange a cobrança feita pelo treinador aos dirigentes uruguaios em relação à necessidade de investimentos nas categorias de base, à detecção de talentos em todas as cidades do pequeno Uruguai (3,4 milhões de habitantes), ao planejamento de longo prazo para as seleções menores e à definição e aperfeiçoamento de um time-base vislumbrando resultados como consequência de um trabalho bem estruturado na equipe principal.

O encerramento do ciclo de alguns jogadores na seleção, a promoção de novos talentos e as peças de substituição também são temas do projeto coordenado por Oscar Tabárez e que pode ser acompanhado por entrevistas em diversos meios de comunicação.

Nestas entrevistas, o “pensar” do treinador é manifestado com a utilização de palavras e expressões que deveriam ser multiplicadas no universo do futebol: ser humano, exemplo, educação, trabalho em equipe, evolução e responsabilidade.

O ser humano, analisado não só por sua qualidade técnica ou tática, mas também pelos seus sonhos, desafios e dificuldades. O exemplo que a seleção atual é para as seleções inferiores e futuras gerações do futebol uruguaio ao resgatarem o respeito mundial. A educação, também denominada pelo treinador de formação integral, como meio fundamental para obtenção dos resultados em longo prazo. O trabalho em equipe, muitas vezes esquecido nas gerações anteriores. A evolução, esperada por saber que estava no caminho certo e a responsabilidade de representar a nação que, hoje, sai às ruas não com as camisas de Barcelona, Boca Juniors ou Inter de Milão, e sim com as dos selecionáveis Lugano, Forlán ou Suárez.

Se nas entrevistas fica evidente o “pensar” do treinador, é no campo de jogo que o comportamento dos jogadores traduzirão se, de fato, este “pensar” se transformou no “jogar” de sua equipe. Nas seis partidas disputadas, foram três vitórias, três empates, nove gols marcados e apenas três gols sofridos. O grande jogo antes da final foi, sem dúvida, o duelo contra a anfitriã Argentina, vencido nos pênaltis, após partida impecável defensivamente e nas transições ofensivas, com um jogador a menos desde o final do primeiro tempo.

Entre os gols marcados, três foram feitos por posse em progressão (a partir de penetração, cruzamento e rebote do goleiro); dois por bola parada ( a partir de uma falta lateral e falta frontal); dois por transição ofensiva (a partir de assistência e drible) e dois por transição defensiva (a partir de passe vertical e assistência).

Nos primeiros jogos, o Uruguai foi ao campo no 1-4-3-3, porém, desde o último jogo da fase de grupos, estruturou o espaço no 1-4-4-2 (duas linhas). E, na partida final, conquistou o título sendo superior ao Paraguai durante todo o jogo.

O goleiro Muslera praticamente não foi acionado em situações de proteção do alvo. Agiu principalmente em ações de reposição e em uma interceptação.

A linha defensiva Maxi Pereira-Lugano-Coates-Cáceres não circulou a posse, subiu em bloco ofensivo com os laterais em amplitude e apoio frequentes, foi muito veloz nas transições defensivas, especialmente nas ações de recomposição e fechou todos os espaços possíveis de ação ofensiva paraguaia, ora equilibrando com os laterais a circulação da posse feita pela seleção paraguaia, ora subindo para diminuir o espaço entre-linhas. Nas bolas aéreas, Lugano-Coates foram superiores.

González-Perez-Arévalo-Alvaro Pereira compuseram a linha de meio-campistas. Orientados para recuperação da posse, ou conseguiam recuperá-la, ou apressavam o jogo paraguaio forçando-lhes o erro, nas transições ofensivas, o passe procurava por Suárez ou Forlán, com as subidas dos meias abertos para a construção do jogo ofensivo com muita progressão e rara manutenção; nas transições defensivas, a busca imediata pela posse.

E no ataque, Suárez-Forlán alternavam desmarcações, com Forlán mais próximo à zona de risco e Suárez movimentando muitas vezes nas faixas laterais. Na transição defensiva, queriam a bola e dificultavam a saída jogando do adversário. Defensivamente, a linha 2 foi referência de marcação durante todo o primeiro tempo e, na etapa final, atraíram o Paraguai, recuando mais uma linha. Nas transições ofensivas, Suárez era apoio imediato e Forlán dava profundidade à equipe.

Veja, abaixo, os gols da final da Copa América, com a identificação de algumas falhas da equipe Paraguaia:
 


 

Ao perguntarem para Oscar Tabárez se pretende jogar como o Barcelona, ele afirmou que, nas condições do futebol uruguaio, é improvável conseguir tal feito. Como nem todo bom futebol é tão belo quanto o do clube catalão, o do campeão da América merece parabéns e obrigado pelo competente exemplo!

Para interagir com o autor: eduardo@universidadedofutebol.com.br  

.

sexta-feira, julho 29, 2011

Centro de mídia da Copa 2014 será no Rio de Janeiro

Por Equipe Na Boca do Mundo

Centro de Mídia do Riocentro

Nesta sexta feira (29), autoridades assinaram o compromisso que garante a confirmação da cidade do Rio de Janeiro como sede do Centro Internacional de Transmissão (International Broadcast Center - IBC) e do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2014 (COL), em cerimônia realizada no Palácio da Cidade.

Estavam presentes no evento o prefeito Eduardo Paes, o governador Sérgio Cabral, o vice-governador Luiz Fernando Pezão, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, o secretário-geral da Fifa, Jeróme Valcke, e o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Comitê Organizador Local da Copa de 2014, Ricardo Teixeira.

"Hoje o Rio se autodeclara Capital da Copa. Teremos o centro de mídia, a sede do comitê, a abertura, o sorteio das eliminatórias e ainda estamos lutando pelo sorteio final, em dezembro de 2013", disse o prefeito Eduardo Paes.De acordo com Cabral, sediar o IBC foi uma das principais conquistas do Rio. "É o teatro de eventos da comunicação global.", disse o governador.

Neste sábado (30), será realizado o sorteio das eliminatórias da Copa de 2014, na Marina da Glória, a partir das 15h. O evento, que contará com representantes de 166 seleções, deve ser acompanhado por aproximadamente 500 milhões de pessoas em 150 países.

Fonte:Globo Esporte

Governo faz "emboscada" durante evento da Fifa

ERICH BETING
Da Máquina do Esporte, Rio de Janeiro - RJ

A Fifa tenta, de todas as formas, blindar seus parceiros comerciais durante os eventos da entidade. Na semana que antecede o Sorteio Preliminar dos grupos das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014, não poderia ser diferente. Na Marina da Glória, palco que desde a última segunda-feira recebe eventos preparatórios para o sorteio do próximo sábado, a entidade máxima do futebol já coloca em prática os seus procedimentos para evitar qualquer publicidade além daquela de seus patrocinadores e parceiros oficiais.

 

Mas, pelo menos nesta quinta-feira, o Ministério do Esporte encontrou um jeito de "driblar" o esquema de blindagem montado pela Fifa. Apesar de o Brasil ser anfitrião do evento, o governo não tem direito a fazer publicidade dentro do espaço da Marina da Glória, no Rio de Janeiro.

 

Só que, no início da tarde, a reportagem da Máquina do Esporte flagrou algumas pessoas deixando um cartão de visitas com as inscrições "Visite www.copa2014.gov.br" e "Visit www.copa2014.gov.br" nas mesas destinada aos jornalistas de todo o mundo. A ação, feita sem o aval da Fifa, pode ser enquadrada dentro do marketing de emboscada, estratégia que na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, levou à prisão de dezenas de modelos contratadas pela cerveja holandesa Bavaria.

 

No Rio de Janeiro, funcionários da Fifa não se atentaram para a ação do Ministério do Esporte. A reportagem tentou falar com pessoas da Fifa e do Ministério sobre o ocorrido, porém sem sucesso. Os cartões ficaram sobre as mesas destinadas à imprensa, como mostra a foto tirada por volta das 15h no alto da página.

.

Agência de comunicação e mkt esportivo marca ‘gol’

Homenagem no Presidente Vargas com a marca da Tatics



A Tatics participou ontem, em parceria com a Secretaria de Esportes e Lazer de Fortaleza (Secel), de uma homenagem no estádio Presidente Vargas aos craques que marcaram a história do futebol cearense e brasileiro. Entre os agraciados da noite com a honra de colocar os pés na calçada da fama do PV esteve Marcelo Veiga, campeão cearense pelo Ferroviário em 1988 e atualmente técnico do Bragantino na Série B do Campeonato Brasileiro.

A participação de Marcelo Veiga no evento foi viabilizada pela Tatics. O autor do gol do título de 88 tem estreita relação com a empresa, que intermediou o convite idealizado pelo secretário municipal de Esportes, Evaldo Lima (foto). Marcelo veio especialmente a Fortaleza para a ocasião e foi recepcionado pelos diretores da Tatics Evandro Ferreira Gomes e Arthur Ferraz.

Marcelo destacou a importância da homenagem em sua trajetória. "Estou realmente emocionado de voltar ao PV, que está belíssimo, para receber uma homenagem como essa. A passagem pelo Ferroviário foi decisiva na minha carreira e até hoje tenho uma ligação muito forte com o futebol cearense", afirmou. "Agradeço ao Evaldo pelo convite e à Tatics por conduzir o processo que me permitiu estar aqui hoje".  Além de Marcelo foram homenageados o técnico do Atlético-PR, Renato Gaúcho, e o zagueiro alvinegro Fabrício, que completou 200 jogos pelo Ceará.

A ligação com o Ferroviário Atlético Clube foi evidenciada pela longa conversa com o técnico coral, Joel Cornelli, cliente da Tatics. Presente ao evento, Joel pôde trocar impressões profissionais e sobre a relação com o clube e os torcedores.

A recepção a Marcelo foi reforçada por contatos com dirigentes e autoridades cearenses e com a imprensa. Ele concedeu entrevistas a emissoras de rádio e tevê e teve oportunidade de conversar com os principais nomes da mídia local.

Fonte: Taticsmkt.blogspot.com

.

Rio se autoproclama capital da Copa e desagrada Fifa

ERICH BETING
Da Máquina do Esporte, Rio de Janeiro - RJ

 

“Fifa não quer, mas Rio de Janeira

 

se autoproclama a Capital da Copa”

 

 

 

 

No evento em que foi celebrada a assinatura do contrato de que o Rio de Janeiro receberá o centro de transmissões da Copa do Mundo de 2014 (IBC), a cidade se autoproclamou a "Capital da Copa do Mundo", a despeito de a Fifa tentar evitar, a todo custo, que o Rio concentre a maioria dos eventos preliminares do Mundial.

 

Na entrada do Palácio da Cidade, sede da prefeitura do Rio de Janeiro e palco da assinatura do contrato, uma inscrição dizia "Rio, capital da Copa". Porém, durante o evento, de todas as formas a Fifa tentou evitar essa ligação mais próxima da cidade com a competição.

 

"Nós nos auto declaramos, hoje, a capital da Copa do Mundo, entendendo que amanhã começa a Copa do Mundo", afirmou o prefeito Eduardo Paes durante a cerimônia. A frase, porém, foi rebatida imediatamente por Joseph Blatter, presidente da Fifa:

 

"Eu leio aqui: 'Rio, Capital da Copa'. Os 190 milhões de brasileiros concordam com isso", indagou Blatter.

 

Na última quinta-feira, Jérôme Valcke, secretário geral da Fifa, havia afirmado que a entidade não pretendia fazer outros eventos no Rio de Janeiro.

 

.

Globo está unida a Ricardo Teixeira até a morte

  • Cala a boca, Galvão

     

    Saiu no jornal nacional notícia sobre a decisão da Presidenta Dilma de barrar Ricardo Teixeira e escalar o Pelé para ser o rosto e o símbolo da Copa de 2014.

    Clique aqui para ler: “Pelé é a face do Brasil na Copa. Todo mundo quer sair na foto com ele”.

    E 
    aqui para ler : “Dilma e Pelé como Pelé e Tostão. Bye-bye Teixeira !”

    As Organizações (?) Globo, sob a batuta de Ali Kamel, reduziram a escalação de Pelé a uma escalação da seleção sub-17.

    A Presidenta decidiu que Ricardo Teixeira e a Globo não são a face do Brasil na copa de 2014.

    Como se sabe, a 
    Globo e Ricardo Teixeira
     são o Murdoch do Brasil e não vão durar muito.


    Paulo Henrique Amorim

    Artigos Relacionados

    Como aumentar sua influência no Twitter em 5 passos

    Postado por Fernanda Abreu

    Algumas dicas simples podem te ajudar a construir uma audiência qualificada e aumentar sua relevância. Confira.

    O que é ser influente em tempos de Web 2.0? Uma pesquisa recente da Associação para o Avanço da Inteligência Artificial mostra que ter uma base de seguidores enorme no Twitter não é o suficiente para determinar o grau de relevância de um indivíduo. O que a pesquisa indica é que a influência de uma pessoa no Twitter está muito mais ligada ao conteúdo que ela compartilha do que com o número de pessoas que a seguem.

    Então, nestes termos, como fazer para aumentar a relevância no Twitter? Como já vimos, a pesquisa aponta que o conteúdo é chave. Por isso, é importante focar no compartilhamento de conteúdos relevantes. A seguir, te damos algumas dicas de como fazer isso.

    Sigam-me os bons!

    A primeira coisa a fazer é seguir as pessoas certas. Você pode começar por aquelas que você já conhece, seus amigos, colegas etc., mas procure também por pessoas relevantes em seu mercado. Em seguida, observe quem são os usuários com quem essas pessoas interagem, quem eles retwittam; com isso, você começa a expandir sua base de referências e fontes de informação.

    Siga as pessoas certas no Twitter

    Encontrando conteúdo relevante

    Como já falamos nas dicas para blogs, o ideal é manter o foco em um assunto que você goste e domine. Você começou a seguir algumas pessoas-chave neste mercado, certo? Elas podem ser uma excelente fonte de informações, fique atento ao que compartilham. Outra opção, igualmente importante, é monitorar hashtags e palavras-chave de um determinado assunto, e assim encontrar conteúdos complementares – e, talvez, mais pessoas legais de seguir. Acompanhe também outros blogs e sites sobre o assunto escolhido para aumentar sua base de referências.

    Fique atento a termos interessantes para encontrar pessoas e conteúdo relevante

    Como compartilhar esse conteúdo

    Uma vez encontrado o conteúdo, é hora de pensar na melhor maneira de publicá-lo para seus seguidores. A forma mais simples é retwittar um post que outra pessoa tenha publicado ou utilizar a ferramenta de publicação automática para Twitter que a maioria dos blogs possui atualmente. No entanto, você pode ir um pouco mais além: procure uma citação interessante dentro do artigo escolhido ou sintetize o assunto no twitt, mostrando aos seus seguidores por que é importante que eles leiam aquilo. Esta não é a opção mais fácil, mas isso mostra que você está de fato selecionando conteúdos interessantes, e não somente replicando a opinião de outros.

    Sobre técnicas de compartilhamento, sugerimos a leitura deste texto do Marco Gomes sobre como escrever um bom post no Twitter.

    Uma boa descrição do link aumenta a quantidade de links e RTs

    Interagindo com os followers

    Outro dos fatores que definem a relevância no Twitter é o engajamento. Afinal, não adianta ter esse trabalho todo e falar para as paredes, não é? Felizmente, o Twitter oferece diversos recursos para iniciar conversas. Retweet posts de outras pessoas com comentários, dê replies comentando os tweets de quem você segue, peça opiniões, indique pessoas, agradeça comentários… Enfim, as possibilidades são inúmeras, apenas tome cuidado para não ser muito invasivo e nem transformar sua timeline em spam. O bom-senso é imperativo.

    converse, interaja, participe! :)

    Não leve tudo tão a sério!

    Isto não significa que você precisa parar de publicar piadas e amenidades em seu Twitter – afinal, ele é seu. Mesmo que você siga as dicas acima à risca, eventualmente alguém vai deixar de te seguir, e isso não é pessoal. Significa apenas que a pessoa não está afinal tão interessada no tipo de assunto que você compartilha e, por um lado, isso é bom, pois ajuda a refinar sua audiência. O importante é focar seus esforços naqueles que estão interessados em te ouvir. E, acima de tudo, não esqueça de se divertir. ;)

    .

    quinta-feira, julho 28, 2011

    Vídeo] Produção do conhecimento na área esportiva


    Entrevista da Universidade do Futebol com o Consultor Técnico João Paulo S. Medina



    .

    Coca-Cola lança teaser de campeonato de futebol

    No total, empresa aceitará 1,5 mil times para sorteio e selecionará 564 para participar da competição
    A Coca-Cola lançou na última sexta-feira a campanha de divulgação da próxima edição da Copa Coca-Cola de futebol. A competição será promovida em 20 países, e a primeira grande ação de comunicação será um teaser em vídeo.

    A peça é uma animação, e retrata a preparação de um garoto para cobrar um pênalti. A imagem dele contrasta com o goleiro, dando ênfase à tensão da cena. O teaser também tem a mensagem “A Copa Coca-Cola vem aí”.

     

     

    As inscrições para a competição foram abertas no dia 20 de julho. No total, a empresa aceitará 1,5 mil times para sorteio e selecionará 564 para participar do campeonato.

    A Copa Coca-Cola é inteiramente disputada em comunidades carentes. A competição faz parte de um esforço da fabricante de refrigerante para divulgar hábitos saudáveis de vida.

    Fonte: Máquina do Esporte / Por: Universidade do Futebol


    Espiral do conhecimento

    Correlações dos conhecimentos tácito e explícito e os quatro padrões básicos de gestão no mundo do futebol

     

    Geraldo Campestrini

    No livro dos japoneses Takeuchi e Nonaka, Gestão do Conhecimento*, existe uma abordagem inicial que trata da “espiral do conhecimento”, detalhando de forma aprofundada as correlações dos conhecimentos tácito e explícito, que passam a ter um papel fundamental e dizem respeito a “abraçar os opostos” ou olhar de forma mais clara para a complexidade nas organizações. De acordo com os autores, as empresas fracassam por se curvarem a rotinas velhas criadas por sucessos passados.

    Em outras palavras, podemos traduzir a assertiva para a primordial necessidade de aprendizado contínuo dentro das organizações. Na teoria parece óbvio, mas na prática isso dificilmente ocorre.

    Por definição, conhecimento tácito tem relação com o conhecimento que não está na literatura e sim na cabeça e atitude das pessoas dentro de uma organização, incorporado ao longo da história do indivíduo. São difíceis de teorizar e de transmitir para terceiros – nas palavras de João Grilo, do filme “O Auto da Compadecida”, é algo como “não sei, só sei que foi assim...”.

    Por explícito se compreende o conhecimento que pode ser teorizado e transmitido de pessoa para pessoa. É, dentre outras coisas e de forma bem sucinta, as informações que recebemos nos bancos escolares.

    Nas organizações do futebol lidamos pessimamente com ambos, motivo pelo qual os clubes tendem sistematicamente a repetir erros do passado, com baixa capacidade de inovação. Takeuchi e Nonaka sugerem quatro padrões básicos para se criar conhecimento nas organizações, os quais iremos interpretar para aquilo que poderia ocorrer no contexto do futebol:

    1. De tácito para tácito. 

    Compartilhar o conhecimento tácito de um indivíduo para outro. Seria como um atleta mais experiente a transmitir informações (e “dicas”) para os jogadores das categorias de base de como proceder diante de adversidades ou com relação ao árbitro do jogo. Neste campo, não há geração de novos conhecimentos, mas sim de assimilação e prática para posterior execução – quase que em um método experimental, de tentativa e erro.

    2. De explícito para explícito. 

    Acontece na formalização de relatórios internos, como o de um Conselho Fiscal do clube. Dele não se cria nada, apenas se retrata o status da organização centrado em um único material.

    3. De tácito para explícito.

    É a conversão do conhecimento prático em um processo científico. Como um auxiliar técnico perceber, a partir de conversa com ex-jogadores, sobre a formação tática de algumas equipes e a dificuldade que encontravam para atacar alguns sistemas defensivos e desenvolver, a partir daí, um software que compila tais informações e possa ser transmitido de forma ordenada e clara para outros atletas na fase de treinamento.

    4. De explícito para tácito. 

    Pode ser incorporado a partir da ideia proposta pelo Prof. Medina de implantação de Universidades Corporativas dentro dos clubes, a exemplo do que acontece em alguns setores dentro da 
    Universidade do Futebol. A medida seria capaz de internalizar informações por parte dos colaboradores, que passariam a utilizar na prática este conhecimento, tornando-o tácito.

    As duas últimas interações são as responsáveis por gerar inovações na organização. Ao ampliar a rotatividade de pessoas dentro dos clubes, seja na figura de técnico, jogadores, membros da comissão técnica ou mesmo pessoas de suporte da área administrativa e marketing, estas convergências se tornam imensamente dificultosas, pois cada novo colaborador precisa reaprender processos e conceitos daquela organização, minando em alguma medida a tal “espiral do conhecimento” proposta pelos autores.

    Trabalhar de forma ótima a questão da gestão do conhecimento em clubes de futebol parece um grande desafio, mas que pode ser a chave para o crescimento institucional dos mesmos. Se tomarmos exemplos de sucesso recente no futebol brasileiro e mundial, saberemos enquadrar alguns destes ensinamentos da cultura japonesa para tais realidades.


    * NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

    Para interagir com o autor: geraldo@universidadedofutebol.com.br

    .

    Ministro anuncia Pelé como embaixador da Copa de 2014

    REDAÇÃO
    Da Máquina do Esporte, São Paulo - SP
     

    Em seu perfil no serviço de microblogs Twitter, o ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, anunciou nesta terça-feira que o ex-jogador Pelé vai ser embaixador da Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil. Segundo ele, o convite foi feito pela presidente da República, Dilma Rousseff.

    Pelé já havia recebido um convite do presidente do comitê organizador local (COL), Ricardo Teixeira, para ocupar essa função. Ele será um representante institucional da Copa do Mundo, com participação em todos os eventos oficiais relacionados à competição.

    “A presidente convidou e Pelé aceitou ser embaixador do Brasil para a Copa do Mundo Fifa 2014. O decreto foi assinado agora”, disse Orlando Silva Júnior no Twitter.

    Até o momento, detalhes sobre o trabalho de Pelé como embaixador do Mundial não foram revelados. O ex-jogador já será um dos protagonistas do sorteio das Eliminatórias, que será realizado no Rio de Janeiro no dia 30 de julho.

    Scout do jogo: Santos 4 x 5 Flamengo

    Em duelo histórico, Neymar e Ronaldinho têm desempenho extraordinário, mas astro rubro-negro leva a melhor com três gols em cinco finalizações certas
    Equipe Universidade do Futebol

    “O jogo foi maravilhoso, enriqueceu o futebol. Tomamos três gols, mas o time estava muito bem centrado, não se perdeu. Foi um resultado justo. Fico encantado”, disse Vanderlei Luxemburgo. “Todo mundo marcou, correu, e ajudou. Só que do outro tem o Ronaldinho. Ele é gênio. Não foi por falta de marcação”, acrescentou Neymar. Pelas palavras de dois representantes de Flamengo e Santos após o apito final, dá para se ter um pouco de noção do que representou a vitória rubro-negra dentro da Vila Belmiro, em duelo pela rodada 12 do Campeonato Brasileiro.

    Tratou-se de uma verdadeira apresentação espetacular de gols, lances, e especialmente Ronaldinho Gaúcho e Neymar. Dois jogadores que representam gerações recentes. Um, consagrado como campeão de quase tudo e que teve o mundo aos seus pés, atuando no principal palco europeu da atualidade, Barcelona. O outro, com enorme potencial para se firmar como protagonista, e que conduziu o jovem elenco santista ao inédito título da Copa Libertadores pós-Era Pelé. Em campo, brilho para os olhos dos torcedores.

    Alguns, como Muricy Ramalho, técnico santista, e Edu Dracena, zagueiro e capitão da equipe paulista, lamentaram um pouco mais a virada antológica sofrida em casa, após vantagem de três gols construída em pouco mais de meia hora de jogo, e as falhas no sistema defensivo. Mas para a história, como registro, ficará o contexto artístico e belo de um encontro representado inclusive pelos números.

    Talvez em sua melhor exibição na curta carreira como atleta profissional, Neymar abriu caminho para o primeiro gol de Borges aos 4min; pouco tempo depois, quando uma tentativa de finalização parou no goleiro Felipe, serviu em passe de bicicleta o mesmo companheiro de ataque, que ampliou; mas o melhor estava guardado para os 26min, quando ele assinou obra genial, fintando meio time do Flamengo.

    Principal referência alvinegra, o camisa 11 recebeu ao todo 44 vezes a bola. Seus 11 passes errados e 15 bolas perdidas estiveram boa parte das vezes condicionados a tentativas verticais, agressivas, em busca de mais ações ofensivas. O aproveitamento em finalizações foi grandioso: dois gols em quatro chutes certos – ainda marcaria outro na etapa final.




    Camisa 11, Neymar geralmente inicia suas ações pela faixa esquerda do campo, mas sempre em direção ao gol: antologia produzida no primeiro tempo confirma movimentação do atacante

     

    Um coadjuvante, entretanto, fez com que os visitantes, mais do que respirar na partida, conseguissem o impulso para confirmar um ambiente que se tornaria heróico. Luiz Antônio, um dos volantes na plataforma 1-4-3-2-1, ao lado de Willians e Renato Abreu, criou duas boas jogadas pela direita para que Ronaldinho, aos 28, e Thiago Neves, aos 31, diminuíssem a vantagem santista.

    Quando a igualdade no placar se mostrava iminente, o Santos teve a chance de ampliar sua supremacia antes do intervalo, após pênalti sofrido por Neymar. Mas o mesmo Elano, que desperdiçara uma das penalidades na eliminação da seleção brasileira diante do Paraguai, na Copa América, cobrou de cavadinha nas mãos do goleiro Felipe. Como forma de “castigo”, Deivid empatou de cabeça depois de cobrança de escanteio de Ronaldinho.

    Aquele tinha sido um dos dois cruzamentos certeiros do camisa 10 da Gávea na partida. Fora isso, ele recebeu a bola 36 vezes e efetuou 31 passes – 11 deles imprecisos, porém sempre com um grau de dificuldade mais elevado. Em um drible desconcertante, pouco tempo depois de Neymar colocar o Santos novamente à frente, o craque tirou Dracena e Arouca de uma jogada e sofreu falta. Ele mesmo bateu, por baixo da barreira, de maneira muito inteligente, e superou o goleiro Rafael.




    Confira o número alto de finalizações acumuladas do Fla na partida: destaque para Ronaldinho, que teve cinco certas, com três gols marcados

     

    O terceiro do astro viria aos 35min, após boa jogada de Deivid e Thiago Neves: Ronaldinho só arrematou na saída do goleiro, em sua quinta finalização certa na partida, para ratificar sua atuação memorável. Como nos tempos áureos. 

    Para ler o relatório completo da Scout Online, clique 
    aqui.
     


     

    .

    Para primeira mulher do Comitê da Uefa, base para sucesso do futebol feminino é estimular “jogos na rua”

    Karen Espelund entende que competições levam a um desenvolvimento e valoriza torneios para equipes de formação
    Equipe Universidade do Futebol

    Fut fem 01

    Entre quinta-feira e domingo desta semana, a Europa realizará mais uma edição do Campeonato Europeu Feminino sub-17. O principal torneio entre seleções de base desta categoria daquele continente pretende se firmar como um ambiente efetivo de experiência e desenvolvimento de jovens promissoras. À frente do projeto está Karen Espelund.

    No último mês, ela se tornou a primeira mulher a juntar-se ao Comitê Executivo da Uefa como membro convidada. Além disso, ela preside o Comitê do Futebol Feminino da entidade, sendo a dirigente que responde pelo planejamento estratégico de formação.

    “O potencial das 'raízes' do futebol entre as meninas é enorme em todas as federações nacionais. Todas elas deveriam ter a oportunidade de jogar no seu bairro. É essa a base para um maior desenvolvimento em todos os aspectos”, afirmou Espelund.

    Na avaliação dela, são necessárias Ligas mais fortes, mais árbitras, dirigentes e treinadoras e demais representantes do sexo feminino em todos os níveis.

    Por intermédio de seu programa de assistência HatTrick, a Uefa comprometeu-se a investir 100 mil euros anuais por federação no desenvolvimento do futebol feminino entre 2012 e 2016. Espelund, uma das principais motivadoras nos bastidores da criação da Eurocopa feminina sub-17, que teve início em 2007, vê com satisfação os avanços.

    "As competições levam a um desenvolvimento. E aproximadamente 45 das 53 federações nacionais que integram a Uefa participam regularmente nessas competições. Ao ver a seleção alemã jogar na Copa do Mundo feminina deste ano, pôde constatar-se que muitas das jogadoras que hoje integram a equipe principal passaram pelos torneios jovens”, avaliou a dirigente.

    No futuro, crê ela, as seleções de base serão o caminho natural para a maior parte das atletas rumo às equipes principais. Deve-se, portanto, dar continuidade ao aporte financeiro a estruturas nas federações nacionais, bem como oportunidades da prática da modalidade às aspirantes. “Tudo isto conduz a um desenvolvimento positivo”, concluiu Espelund, ainda em entrevista ao site oficial da Uefa.